5 de maio de 2006

Polo Black


Gente, apresento a Nova Campanha do Perfume POLO, por enquanto internacional mas em breve no Brasil, adorei as cores da foto e a ligação entre a marca e o ator da foto, bem sacado, reparem...

2 comentários:

  1. Serviços e produtos ligados ao bem-estar são alvo do mercado de luxo

    Ao fazer um balanço entre os riscos e oportunidades para o segmento de consumo de luxo, analistas do setor avaliam que o Brasil continua com uma forte demanda reprimida a ser explorada. "Pesquisas mostram que atualmente apenas um terço do potencial de consumo (desse mercado) é aproveitado", diz Silvio Passarelli, diretor do MBA de Gestão de Luxo da Faculdade Armando Alvarez Penteado (Faap).

    Na avaliação de Passarelli, a ausência de políticas públicas voltadas para questões sociais como segurança, além da alta tributação, são os principais riscos para o segmento. Sem falar nos movimentos de contrabando e falsificação de grifes famosas, fator esse encarado pelos empreendedores do setor com grande preocupação.

    Apesar disso, ele pondera que depois de um grande período de mercado fechado, continua grande o interesse dos consumidores por produtos de luxo. Além disso, ele menciona que o eixo Rio-São Paulo continua sendo considerado o principal núcleo comercial da América Latina, o que deve ser explorado, sob pena de perder grandes oportunidades.

    Dentro do universo de produtos luxuosos, o acadêmico vê oportunidade de expansão e chegada de grandes marcas ao país na área de entretenimento, com iniciativas de mega-empreendimentos ligados ao setor de consumo de luxo, na área de serviços, a exemplo do shopping Cidade Jardim. "Há mais dois empreendimentos sendo estudados nesse segmento", destaca.

    Já os setores jóias, alimentos e bebidas, roupas e acessórios, cosméticos e perfumarias , além de bens de mobilidade, como helicópteros, motocicletas, entre outros, já está, na avaliação de Passarelli, bem assistidos no país. Sem mencionar grifes, ele não descarta, entretanto, a entrada de novas marcas, ou mesmo retorno de algumas, em cada um desses segmentos.

    Para André Cauduro D´Angelo, diretor da Think! Marketing & Cultura de Consumo, alguns perfis de consumo devem ser considerados para explorar novos modelos de negócios e publicidade voltados para o consumo de luxo. "Embora a gente fale de mercado de alta renda, ele não é homogêneo.

    Existem segmentos diferentes nesse mercado e consumidores com perfis diferentes", afirma.

    Ao considerar aspectos imprescindíveis para esse nicho de negócios, como interesse e poder e compra, D´Angelo chama atenção para o desafio de continuar atingindo aqueles clientes que têm desejo de comprar e dinheiro no bolso. Para esse público, D´Angelo sugere diversificar e explorar o conceito de bem-estar por meio de serviços, ou mesmo viagens com circuitos pouco explorados com atividades diferenciadas como degustação de vinhos em uma região da Europa. Isso dá ao cliente o status de ter viajado e experimentado situação que poucos têm acesso.

    O consultor cita, ainda, a camada de consumidores jovens, em início de carreira, de alto nível cultural e bem informados sobre consumo e moda. Esse perfil de cliente tem mais interesse do que renda para consumir, "mas não tem menos importância". Nesses casos, D´Angelo diz que é possível explorar o serviço de aluguel de acessórios de luxo, pontos de venda de produtos de segunda mão e pontas de estoques.

    Também há o caso de consumidores que tem alta renda, mas nenhum interesse nesse consumo. "Eles rejeitam o consumo de itens luxuosos, por considerarem isso uma forma sofisticada de padronização", explica o consultor. Para conquistar público, D´Angelo aconselha apostar na oferta de produtos que possam ser personalizados. "Na co-criação de produtos, por exemplo, uma joalheria pode usar o desenho de um cliente para produzir a peça desejada. O que vale mais para esse cliente é a individualização".

    ResponderExcluir
  2. Anônimo3:14 PM

    Você tem razão a campanha é maravilhosa, tanto, que eu fiquei encantada com a musica do comercial. Você sabe o nome?

    ResponderExcluir