5 de dezembro de 2006

Em breve, 1 ano de Vida



Este mes o Reality completa 1 aninho de vida, e desde já começo a agradecer as pessoas que colaboraram com matérias, e principalmente aos leitores deste blog que tenta agradar gregos e troianos !
O tema abordado aqui, pode ser encontrado em diversos diários online, mas a maioria das matérias são postadas de acordo com a visão de uma estudante e futura Publicitária, isso, pode não mudar nada em sua vida, mas se fosse pra copiar e colar; que graça teria ?
Os mais de 7.000 acessos conquistados provam que o conteúdo tem qualidade, inclusive pessoas de outros países como Bélgica, EUA, Espanha, França e até mesmo Indonésia acessam o blog. Me sinto lisongeada e muito feliz por poder dividir minhas experiências e opniões com vocês...Obrigada à todos !

2 comentários:

  1. Grande Helena, parabéns pelo primeiro ano do Reality! Tu sabes o esforço que fazemos no backstage deste blog. Nós, que trabalhamos numa empresa de informação e publicações internacionais, temos a obrigação de manter informados nossos estimados leitores. Isso nos engrandece! Um abraço a todos!

    ResponderExcluir
  2. Internet amplia mercado em comunicação

    Formação inclui cursos de jornalismo, publicidade, rádio e TV e relações públicas

    GUSTAVO FIORATTI
    COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

    Talvez quem tenha menos de 25 anos não se lembre muito bem de um cara que usava cartola, óculos grandes e redondos, uma buzina pendurada no pescoço e vivia gritando "quem não se comunica, se trumbica". Era o apresentador de TV Abelardo Barbosa, o Chacrinha, sendo profético em relação ao novo milênio.

    E olha que naquela época ainda nem existia a internet. A expansão da web fez crescer ainda mais o número de profissões ligadas à comunicação social, o sexto curso mais procurado em vestibulares do Brasil, no ano de 2004, com 242.892 inscritos.

    "O mercado de trabalho em comunicação social está sempre em expansão. As novas tecnologias estão propiciando ao jovem profissional oportunidades de trabalho em todas as áreas, principalmente em jornalismo, publicidade e rádio e TV", analisa a professora Tereza Cristina Vitali, diretora da Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero.
    Para ela, entre as áreas de trabalho que devem acolher mais profissionais nos próximos anos estão pesquisa de opinião pública, a própria internet, linguagens interativas e novos veículos de comunicação. Ela identifica o crescimento do ciberespaço e do número de eventos culturais como fatores que contribuem para a expansão da carreira. "Tudo isso desperta a atenção dos jovens, não somente como algo que ele irá conhecer na faculdade mas também como oportunidades de trabalho", diz.

    Glamour

    Mas o crescimento abrupto também trouxe problemas estruturais. "Nós temos uma explosão na demanda que me parece artificial", diz Victor Aquino, professor titular da Escola de Comunicações e Artes da USP.

    Para ele, existe uma glamourização das profissões ligadas à comunicação social, o que fez crescer em demasia a oferta de mão-de-obra e o número de vagas nas faculdades.

    "O que acho mais estranho é colocar atividades tão diferentes num balaio só. As faculdades de comunicação social hoje incluem cursos como jornalismo, publicidade e relações públicas, que são muito diferentes em suas estruturas. Algumas até colocam turismo nessa mesma gaveta, em função de uma classificação equivocada do Ministério da Educação", critica Aquino.

    Essa imprecisão apontada pelo professor pode explicar o degrau que existe entre o número total de formados pelos cursos de comunicação e o número de pessoas formadas em comunicação que trabalha na área (27,7%, segundo o IBGE).

    Segundo o instituto, entre os profissionais que se formaram em comunicação social, há mais gente trabalhando como gerente de apoio e de produção, por exemplo, do que como jornalista.

    Comunicação na vida real

    Tem que usar terno?

    Depende do ambiente de trabalho.

    Jornalistas geralmente usam terno quando cobrem assuntos como economia e política. Entre publicitários, terno é mais freqüente.

    O ambiente é competitivo?

    Em jornalismo, incluindo rádio e TV, existe muita competição, pois as vagas em redações são escassas. É possível, no entanto, encontrar salários bons em assessorias de imprensa. Em publicidade, existe competitividade para quem quer trabalhar com criação de campanhas, principalmente. Já em relações públicas, há menos competitividade.

    Dá para usar a criatividade?

    Criatividade é importante em qualquer ramo da comunicação.

    Especialmente em campanhas publicitárias. No jornalismo, é possível ser criativo em textos, pautas e até mesmo nos títulos das matérias de jornais e revistas. Em rádio e TV, a criatividade é essencial para romper o formato das edições tradicionais, como as de jornais das grandes emissoras.

    Acorda cedo?

    Em geral, não antes das 8h30. Mas os horários variam muito. Dá para encontrar empregos noturnos e diurnos.

    É necessário fazer estágio?

    Sim. Não existe uma carga horária fixa em nenhuma das áreas de Comunicação Social, mas geralmente são contratados profissionais que passaram por estágios, sendo que apenas em jornalismo ele é regulamentado. Algumas faculdades também empregam atividades práticas como matérias curriculares.

    ResponderExcluir